Simp Chamadas de ganso

Services





manteau goose femmeont xmlns="" color="#800000"> An. 1 Simp. Internacional do Adolescente May. 2005


Chamadas de ganso

canada goose victoria parka
vida desportiva canada ganso
Канадская гусиная авиационная шляпа
roupas de ganso canadense
пуховик

remedio caseiro para pata de ganso

Aqui encontraráCuras Caseiras, Remédios Naturais,e/ou outros artigos relacionados com a sua pesquisa por . Descubra as melhores soluções para a sua patologia comHomeopatia e Medicina Natural

- - -



    Your search did not match any entries



ler

    • Artigos
    • Domínio Público
      • Melhores do Ano
        • Oub'lá
        • Poder Soul
        • Punk 1977 – 2017

      Oub'lá

      GANSO

       

      “A ideia continua a ser ter uma banda de rock rural”

       

      Foi com a maior das naturalidades que se partiu o ovo que fez nascer os Ganso, a banda de Luís Salamandro, Miguel Barreira, João Sala, Thomas Oulman e Gonçalo Bicudo. Há um par de semanas editaram o primeiro longa-duração, Pá Pá Pá, sucessor do EP Costela Ofendida.

      Thomas Oulman, o baterista, e João Sala, vocalista e teclista, explicam agora como nasceram os Ganso, o porquê de serem uma banda de rock rural que cruzam referências lo-fi com algum psicadelismo, e a ligação que têm à banda desenhada e a José Cid.

       

      Contem-nos como nasceu este Ganso?

      João Sala [JS] — Quando começou mesmo? Se calhar o Oulman é mais indicado para contar… porque começou com ele.

      Thomas Oulman [TO] — Resumidamente: eu comprei uma bateria em 2014 e comecei a explorar a bateria e meti na cabeça que queria levar aquilo a sério. “Recrutei” uma malta e apercebi-me que tinha já amigos de infância a tocar entre eles há algum tempo e “afiambrei-me” — literalmente — à cena deles…

       

      Mas já tocavas bateria?

      TO — Não, não! Comprei uma bateria e foi assim… já toquei piano e tive aulas em criança. Tinha algumas noções, mas bateria foi literalmente à toa, digamos assim. Depois comecei a tocar com eles e encontrei este meu camarada João Sala e recrutei-o também. E pronto, muito naturalmente a coisa surgiu.

       

      João, quando o Thomas te convidou para te juntares à banda, o que é que ele te propôs?

      JS — Eu lembro-me que ele achava que eu tocava guitarra e que iam precisar de um guitarrista. Mas eu não era grande guitarrista e também andava a explorar o piano… ofereci-me para ser teclista.

      TO — Ganso ainda nem sequer era banda sequer, nem tínhamos músicas. Éramos só um embrião… Nem havia músicas.

      JS — Nem nos conhecíamos bem… só de vista, porque andámos todos na mesma escola, no Liceu Francês.

      TO — Eu não fui com ideias pré-feitas, mas inconscientemente aquilo que procurava era a estrutura clássica do rock: duas guitarras, um baixo, teclas e bateria.

       

      “O estúdio de Alvalade é um sítio inspirador… aquilo está cheio de instrumentos e saímos de lá sempre a tocar melhor. E muito facilmente fazemos lá uma jam… podem acontecer muitas coisas por lá”

       

      O que é que foi saindo dos primeiros ensaios?

      TO — Massa! Massa daquelas que vão para a canja.

      JS — Lembro-me que as primeiras músicas que tocámos ainda existem: é a “Idalina” e a “Pistoleira”, mas sem voz e sem letra. São temas que apareceram no nosso primeiro EP, o Costela Ofendida.

      TO — Éramos só amigos que estavam a tocar juntos e depois refugiámo-nos em Mogofores — que é o refúgio aqui da família do João e também do José Cid, com quem entretanto fizemos uma música! A Idalina é, precisamente, uma das personagens, dos habitantes de Mogofores. Mas não partimos de grandes pressupostos nem pensámos demasiado: fomos para lá e fizemos umas malhas. Depois regressámos para Alvalade para gravar: eu já era amigo da malta da Cuca Monga [editora de BISPO, Modernos e Luís Severo].

       

      A malta da Cuca Monga ajudou-vos a encontrar a direção para Ganso?

      JS — O Diogo [Rodrigues], que é o nosso produtor, ajudou-nos bastante. Quando chegámos lá tínhamos poucas ideias do que fazer, ele é que nos encaminhou porque nenhum de nós tinha experiência de gravar o que quer que seja e por isso ajudou-nos muito.

       

      O estúdio de Alvalade e a companhia das outras bandas que por lá andam tem-vos ajudado a espevitar as ideias?

      JS — Sem dúvida! O estúdio de Alvalade é um sítio inspirador… aquilo está cheio de instrumentos e saímos de lá sempre a tocar melhor. E muito facilmente fazemos lá uma jam… podem acontecer muitas coisas por lá.

       

      Cruzam-se com outras bandas por lá?

      TO — Sim, e já tocámos juntos na Tour Cuca, em que a banda a tocar era o Conjunto Cuca Monga — os cinco [Capitão] Fausto, nós os cinco, o Luís Severo e o Diogo — e o objetivo era tocar músicas dos Modernos, dos El Salvador, BISPO e nossas. Compactámos isso tudo num concerto e percorremos o país a tocar nesse formato. E havemos de ir tocar ao Milhões de Festa!

       

      Querem falar-nos um pouco das vossas influências e inspirações? Como é que caracterizam a sonoridade dos Ganso?

      TO — Temos sempre dificuldade em responder a essa pergunta…

      JS — A ideia continua a ser a de ter uma banda de rock.

      TO — Rock rural (risos). Tem tudo a ver com gambas, massa com gambas, animais… e referências inevitáveis e incontornáveis daquilo que ouvimos e sempre ouvimos e que vamos continuar a ouvir. Mas é uma pergunta tramada, que é preferível deixar os outros responder!

      A capa do vosso novo disco, Pá Pá Pá, vem com uma espécie de desenho animado. E a própria sonoridade dos Ganso faz-me lembrar para um universo próximo dos cartoons: eu penso nos Ganso como um conjunto de histórias de bandas desenhadas.

      JS — Ainda bem que essas ideias te vêm à cabeça, porque é mais ou menos suposto ir acontecer. Está tudo associado à risota, ainda que com alguma seriedade: tanto nas letras como na tal capa do disco…

      TO — Sem nunca roçar o absurdo, mas sem dúvida que a risota é uma maneira de estar na nossa vida e naquilo que criamos.

       

      E isso facilita ou complica o trabalho?

      JS — Às vezes facilita, porque é óbvio que tem de ir por esse caminho, outras vezes complica porque podemos exagerar… felizmente apercebemo-nos, algumas vezes.

       

      “É importante não parar de trabalhar para não nos habituarmos à inércia. Mas infelizmente não podemos trabalhar todos os dias nisto a tempo inteiro porque todos temos outros ofícios”

       

      Do vosso catálogo fazem parte já algumas faixas em que parecem existir personagens: “Idalina”, por exemplo; “Grilo do Nilo”, “Brad Pintas”…

      JS — Sim, gostamos de falar de personagens. Somos colecionadores de animação, de personagens e de histórias de contar e para ouvir.

      TO — Todo o nosso mundo e tudo aquilo que nos rodeia — e ao [Francisco] Ferreira, que fez a capa — é um mundo muito animado, no sentido lato do termo. Ainda ontem fomos beber um copo ao Bairro e estávamos a dizer que um dos objetivos é ter histórias para contar aos netos!

       

      E as personagens ajudam a construir os enredos das canções, não é?

      TO — No caso do “Brad Pintas” sim.

       

      O Brad Pintas é de Mogofores?

      JS — Não, é muito alfacinha. É um amigo nosso: eu tinha-o conhecido naquele dia e se olharmos para ele vemos um beto e se o ouvirmos a falar ouvimos um pintas. E eu disse-lhe: “És um Brad Pintas!” e ele respondeu-me: “Brad Pitt? Obrigado” (risos).

      TO — O Brad Pintas é aquele gajo que encontras num café, ao balcão, a mandar umas larachas.

      JS — É um “balcoeiro”!

       

      O EP ajudou-vos a perceber o que queriam fazer neste disco?

      TO — É um bocado como qualquer conquistador que vai à conquista do mundo: não vamos parar de trabalhar e de fazer aquilo que nos dá mais prazer. Acabar o EP, atacar o disco e já a pensar em gravar um novo disco. Para a semana… (risos) Não, a sério: é importante não parar de trabalhar para não nos habituarmos à inércia. Mas infelizmente não podemos trabalhar todos os dias nisto a tempo inteiro porque todos temos outros ofícios.

       

      Mas sentem que existe da vossa parte uma grande facilidade em criar canções?

      JS — Acho que por ser início ainda temos muita coisa para fazer…

      TO — E acho que não vamos deixar de ter ideias a fervilhar, até porque à medida que o tempo passa e descobrimos outras coisas, as ideias alteram-se no melhor dos sentidos. Não é como se fossemos ficar bloqueados ou sem ideias eventualmente: há sempre soluções.

       

      “Éramos só amigos que estavam a tocar juntos e depois refugiámo-nos em Mogofores — que é o refúgio aqui da família do João e também do José Cid, com quem entretanto fizemos uma música!”

       

      Querem explicar-nos o título do disco? Tem que ver com a segunda canção, “Grilo do Nilo”?

      JS — Também. É um bocado a gozar com aquela coisa de ter um pedaço de uma letra de uma música e usá-lo para dar nome ao disco. Nós pegámos num pedaço de letra que não quer dizer nada — são só interjeições. E porque “pá” é uma expressão muito corriqueira entre nós — sobretudo em Lisboa, que se usa tanto. “Pá pá pá”, “blá blá blá”, “sururu”… é essa a temática.

       

      Há pouco falaram de, numa das visitas a Mogofores, terem gravado uma música com o José Cid. Que canção é essa?

      TO — Chama-se “Portuguese Boys” e, na verdade, é uma versão — um remake de uma música dele. Uma das vezes que fomos tocar ao Porto, estávamos a voltar e já tínhamos o contacto dele, que até nos tinha convidado para ir lá comer uma massa com gambas lá em Mogofores.

       

      Ele costuma ser fã de leitão…

      JS — Também comemos leitão, por acaso! Um arroz de leitão.

      TO — Pois foi! E então lá passámos por casa dele e o que supostamente seria só um jantar transformou-se em 48 horas na casa dele a gravar uma música que tinha feito nos anos 1980, chamada “Portuguese Boys”.

      JS — Diz que foi dos primeiros raps em Portugal… e decidimos que era aquilo que íamos tocar. Ele foi o nosso produtor.

      TO — E é impressionante, tão prestável. Apesar de  tudo tem 76 anos e esteve ali a bombar até às seis da manhã, cheio de ideias e criativo.

       

      Depois do José Cid, em Mogofores, agora também temos os Ganso, é isso?

      JS — Mais ou menos. Mas foi em Mogofores que decidimos que íamos chamar-nos Ganso.

      TO — Fomos perseguidos por um Ganso num supermercado… estava vivo e meteu-se atrás de nós na fila… com um ar desconfiado e ameaçador. No fundo só quis dar uma volta no supermercado.

       

      Entrevista: Bruno Martins







      m gravar um novo disco. Para a semana… (risos) Não, a sério: é importante não parar de trabalhar para não nos habituarmos à inércia. Mas infelizmente não podemos trabalhar todos os dias nisto a tempo inteiro porque todos temos outros ofícios.

       

      Mas sentem que existe da vossa parte uma grande facilidade em criar canções?

      JS — Acho que por ser início ainda temos muita coisa para fazer…

      TO — E acho que não vamos deixar de ter ideias a fervilhar, até porque à medida que o tempo passa e descobrimos outras coisas, as ideias alteram-se no melhor dos sentidos. Não é como se fossemos ficar bloqueados ou sem ideias eventualmente: há sempre soluções.

       

      “Éramos só amigos que estavam a tocar juntos e depois refugiámo-nos em Mogofores — que é o refúgio aqui da família do João e também do José Cid, com quem entretanto fizemos uma música!”

       

      Querem explicar-nos o título do disco? Tem que ver com a segunda canção, “Grilo do Nilo”?

      JS — Também. É um bocado a gozar com aquela coisa de ter um pedaço de uma letra de uma música e usá-lo para dar nome ao disco. Nós pegámos num pedaço de letra que não quer dizer nada — são só interjeições. E porque “pá” é uma expressão muito corriqueira entre nós — sobretudo em Lisboa, que se usa tanto. “Pá pá pá”, “blá blá blá”, “sururu”… é essa a temática.

       

      Há pouco falaram de, numa das visitas a Mogofores, terem gravado uma música com o José Cid. Que canção é essa?

      TO — Chama-se “Portuguese Boys” e, na verdade, é uma versão — um remake de uma música dele. Uma das vezes que fomos tocar ao Porto, estávamos a voltar e já tínhamos o contacto dele, que até nos tinha convidado para ir lá comer uma massa com gambas lá em Mogofores.

       

      Ele costuma ser fã de leitão…

      JS — Também comemos leitão, por acaso! Um arroz de leitão.

      TO — Pois foi! E então lá passámos por casa dele e o que supostamente seria só um jantar transformou-se em 48 horas na casa dele a gravar uma música que tinha feito nos anos 1980, chamada “Portuguese Boys”.

      JS — Diz que foi dos primeiros raps em Portugal… e decidimos que era aquilo que íamos tocar. Ele foi o nosso produtor.

      TO — E é impressionante, tão prestável. Apesar de  tudo tem 76 anos e esteve ali a bombar até às seis da manhã, cheio de ideias e criativo.

       

      Depois do José Cid, em Mogofores, agora também temos os Ganso, é isso?

      JS — Mais ou menos. Mas foi em Mogofores que decidimos que íamos chamar-nos Ganso.

      TO — Fomos perseguidos por um Ganso num supermercado… estava vivo e meteu-se atrás de nós na fila… com um ar desconfiado e ameaçador. No fundo só quis dar uma volta no supermercado.

       

      Entrevista: Bruno Martins







      %9EM%20%20%20%EF%BF%BD%EF%BF%BD%EF%BF%BD%E2%80%A6M%20%20%20%EF%BF%BD%EF%BF%BD%EF%BF%BD%E2%80%A6M%20%20%205C3%2590t%2}o_oL Chamadas de ganso Simp

      Simp Chamadas de ganso

      Services





      manteau goose femmeont xmlns="" color="#800000"> An. 1 Simp. Internacional do Adolescente May. 2005


      Chamadas de ganso

      canada goose victoria parka
      vida desportiva canada ganso
      Канадская гусиная авиационная шляпа
      roupas de ganso canadense
      пуховик

      remedio caseiro para pata de ganso

      Aqui encontraráCuras Caseiras, Remédios Naturais,e/ou outros artigos relacionados com a sua pesquisa por . Descubra as melhores soluções para a sua patologia comHomeopatia e Medicina Natural

      - - -



        Your search did not match any entries



      ler

        • Artigos
        • Domínio Público
          • Melhores do Ano
            • Oub'lá
            • Poder Soul
            • Punk 1977 – 2017

          Oub'lá

          GANSO

           

          “A ideia continua a ser ter uma banda de rock rural”

           

          Foi com a maior das naturalidades que se partiu o ovo que fez nascer os Ganso, a banda de Luís Salamandro, Miguel Barreira, João Sala, Thomas Oulman e Gonçalo Bicudo. Há um par de semanas editaram o primeiro longa-duração, Pá Pá Pá, sucessor do EP Costela Ofendida.

          Thomas Oulman, o baterista, e João Sala, vocalista e teclista, explicam agora como nasceram os Ganso, o porquê de serem uma banda de rock rural que cruzam referências lo-fi com algum psicadelismo, e a ligação que têm à banda desenhada e a José Cid.

           

          Contem-nos como nasceu este Ganso?

          João Sala [JS] — Quando começou mesmo? Se calhar o Oulman é mais indicado para contar… porque começou com ele.

          Thomas Oulman [TO] — Resumidamente: eu comprei uma bateria em 2014 e comecei a explorar a bateria e meti na cabeça que queria levar aquilo a sério. “Recrutei” uma malta e apercebi-me que tinha já amigos de infância a tocar entre eles há algum tempo e “afiambrei-me” — literalmente — à cena deles…

           

          Mas já tocavas bateria?

          TO — Não, não! Comprei uma bateria e foi assim… já toquei piano e tive aulas em criança. Tinha algumas noções, mas bateria foi literalmente à toa, digamos assim. Depois comecei a tocar com eles e encontrei este meu camarada João Sala e recrutei-o também. E pronto, muito naturalmente a coisa surgiu.

           

          João, quando o Thomas te convidou para te juntares à banda, o que é que ele te propôs?

          JS — Eu lembro-me que ele achava que eu tocava guitarra e que iam precisar de um guitarrista. Mas eu