Abastecimento de gás em falha no sul de Angola | Angola | DW | 29.09.2017 gås

div#navMain ul#navLevel1 a#n01 {color: #fff !important;} div#navMain ul#navLevel1 a#n01:hover {color: #000 !important;} div#navMain ul#navLevel1 li:hover a#n01 {color: #000 !important;} div#navMain ul#navLevel2 a#navAct2 {color: #fff !important;}

Abastecimento de gás em falha no sul de Angola

Moradores do Huambo queixam-se da falta de gás que precisam para poder cozinhar. A escassez está a fazer disprar os preços. Sem explicação oficial, fala-se em redução da produção a partir do Lobito.

Camião à espera de abastecimento de gás em Huambo.

Longas filas nas agências e agentes revendedores de gás de cozinha na cidade de Huambo, em Angola. Este é o cenário que se regista ao andar pelas ruas desde o início de agosto, quando a região do planalto central começou a ter o seu abastecimento de gás butano parcialmente limitado.

O fornecimento do gás é feito a partir de Lobito, na província de Benguela. As razões reais da escassez do produto ainda são desconhecidas, mas especula-se que a capacidade de produção da Sonagás, que pertence à petrolífera estatal Sonangol, tenha sido diminuída.

A falta do produto está a causar vários constrangimentos aos moradores da cidade, para além de propiciar o aumento abusivo do preço produto no mercado paralelo.

Sonagás, responsável pela produção de gás natural e integrante da petrolífera estatal Sonangol

Por toda parte que se ande, a população reclama que a Sonagás, empresa responsável pela produção e distribuição do produto, não se pronuncia a respeito do problema. A reportagem da DW África decidiu fazer uma ronda nos vários postos da cidade e pôde constatar o sufoco das pessoas para encontrar gás de cozinha.

Guilherme Torres contou que, há uma semana, a botija está vazia em sua casa. "Estou à procura de gás. Está difícil, já passei em vários postos e a explicação é sempre a mesma: teremos mais tarde", afirma.

João Sampaio passou por vários pontos da cidade na expectativa de conseguir o tão almejado gás: "Já passei na Santa Teresa, não encontrei; fui à baixa da cidade e nada. Somente agora, depois de horas, encontrei gás; mas não é o apropriado para o nosso consumo. Está mesmo muito difícil".

Lucro acima de tudo

A aflição de muitas famílias para obter gás butano está a ser aproveitada pelos comerciantes informais, que elevaram o valor do produto. Uma botija de 12 quilos normalmente é vendida a 1.200 kwanzas (seis euros). Com a escassez, ela passou a ser comercializada a 2.000 kwanzas (10 euros).

Ouvir o áudio 02:45

Moradores de Huambo não encontram gás de cozinha

"O gás foi vendido a 2.000 kwanzas, mas antes custava 1.200 kwanzas", denunciou João Sampaio. Para garantir que não falte comida à mesa, muitos cidadãos recorrem ao carvão vegetal e à lenha. Mas o carvão também sofreu um incremento. Um saco de dois quilos era antes comercializado a 50 kwanzas (26 cêntimos de euro); agora ele está saindo por 100 kwanzas (52 cêntimos de euro). Guilherme Torres apela aos responsáveis que normalizem a situação: "Estamos a cozinhar com carvão. Precisamos mesmo de gás. Nunca tivemos este problema antes".

A DW África tentou obter informação na sede da Sonagás, no Huambo, mas obteve a resposta que ninguém está autorizado a falar sobre o assunto. Segundo uma fonte ligada à Sonagás, a restrição que se regista no fornecimento do produto deve-se à baixa nos níveis de produção a partir do Lobito. O que se dá exatamente no momento em que Angola planeia exportar gás butano para São Tomé e Príncipe.

Apetite renovado

Do outro lado, a Economist Intelligence Unit (EIU) considera que o acordo assinado entre a empresa de gás Angola LNG e a distribuidora Glencore mostra um "apetite renovado" pelo setor e que os projetos estão a recuperar anos de estagnação.

Segundo uma análise feita pelos peritos da Unidade de Análise Económica da revista The Economist, a que a agência Lusa teve acesso, "estes contratos sublinham o apetite renovado por acordos de nova produção com as principais empresas do setor".

Unidade de produção de gás natural no Soyo, Angola

A EIU não conseguiu levantar os detalhes do acordo, mas informou que os parâmetros são similares aos negócios feitos nos últimos dois anos com a britânica Vitol e a germânica RWE Supply and Trading.

A fábrica do Soyo, na província angolana do Zaire, já produziu cerca de 3,5 milhões de toneladas, em comparação com 0,77 milhões do ano passado. E, mesmo assim, está abaixo da capacidade instalada de 5,2 milhões de toneladas por ano.

A central do Soyo é um empreendimento detido em conjunto pela Sonangol (com 22,8%) e outras petrolíferas internacionais, como a Chevron (com 36,4%) a Eni, a Total e a BP, cada uma com uma quota de 13,6%.

Os analistas da Economist lembram que a abertura da central do Soyo, em 2013, mais de um ano depois do previsto, fez a fábrica funcionar por menos de 12 meses. Suas portas foram fechadas durante dois anos, depois de vários incêndios com origem na parte elétrica, falhas nos tubos de distribuição ['pipelines'] e problemas no processamento de gás.

 Os especialistas afirmam que durantes esses anos "o mercado mudou". Devido ao desenvolvimento do gás e do petróleo de xisto na maior economia do mundo, os Estados Unidos, a procura dos consumidores por combustíveis estrangeiros diminuiu. O resultado foi que a ideia inicial de exportar gás natural liquefeito (LNG, nas siglas em inglês) para os Estados Unidos acabou caindo por terra.

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

Lama no cotidiano

O bairro Cazenga é o mais populoso de Luanda – ali, vivem mais de 400 mil pessoas numa área de 40 quilômetros quadrados. Em outubro de 2012, chuvas fortes obrigaram muitos habitantes a andar na lama. Do Cazenga saíram muitos políticos do partido governista angolano MPLA. "Uma das prioridades de políticos pobres é a riqueza rápida", diz o economista angolano Fernando Heitor.

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

Dominância do MPLA

Euricleurival Vasco, 27, votou no MPLA nas eleições gerais de agosto de 2012: "É o partido do presidente. Desde a guerra civil, ele tenta deixar o poder, mas a população não deixa". Críticos dizem que José Eduardo dos Santos não cumpriu nenhuma promessa eleitoral, como acesso à água e à eletricidade. Mas o governo lançou um plano de desenvolvimento em novembro para dar esses direitos à população.

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

Economia informal em Angola

Muitos angolanos esperam riqueza do chamado "boom" do petróleo. Mas grande parte da população é ativa na economia informal, como estas vendedoras de bolachas na capital, Luanda. Segundo a ONU, 37% da população vivem com menos de um dólar por dia. Elias Isaac, da organização de defesa dos direitos humanos Open Society, considera este um "contrassenso" entre "crescimento e desenvolvimento".

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

Uma infraestrutura de fachada?

A capital angolana Luanda é considerada uma das cidades mais caras do mundo. Um prato de sopa pode custar cerca de 10 dólares num restaurante, o aluguel de um apartamento mais de cinco mil dólares por mês. A Baía de Luanda é testemunho constante do "boom" do petróleo: guindastes e arranha-céus disputam quem é mais alto.

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

O "Capitólio" de Angola

Próximo à Baía de Luanda, surge a nova sede do parlamento angolano. O partido governista MPLA vai ocupar a maior parte dos 220 assentos: elegeu 175 deputados em agosto de 2012. Por outro lado, o MPLA perdeu 18 assentos em comparação à eleição de 2008. A UNITA, maior partido da oposição, ganhou 32 assentos em 2012 – mas tem pouco espaço...

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

O presidente no cotidiano de Luanda

…porque, segundo críticos, o presidente José Eduardo dos Santos (numa foto da campanha eleitoral) "domina tudo": o poder Executivo, o Judiciário e o Legislativo, diz o economista Fernando Heitor. José Eduardo dos Santos também parece dominar muitas ruas de Luanda: em novembro de 2012, quase todas as imagens eram da campanha do partido no poder, o MPLA.

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

Dormir nos carros

Os engarrafamentos são frequentes em Luanda. Por isso, muitos funcionários que moram em locais mais afastados já partem para a capital angolana de madrugada. Ao chegarem em Luanda, dormem nos carros até a hora de ir trabalhar – juntamente com as crianças que precisam ir à escola. A foto foi tirada às 06:00h da manhã perto do Palácio da Justiça em novembro de 2012.

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

A riqueza em recursos naturais de Angola

Angola é o segundo maior produtor de petróleo da África, mas também tem potencial para se tornar um dos maiores exportadores de gás natural. A primeira unidade de produção de LNG – Gás Natural Liquefeito, em inglês – foi construída no Soyo, norte do país, mas ainda está em fase de testes. A fábrica tem uma capacidade de produção de 5,2 milhões de toneladas de LNG por ano.

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

Para acabar com a dependência do petróleo...

A diversificação da economia poderia ser uma solução, diz o Fundo Monetário Internacional (FMI). O governo angolano criou um fundo soberano do petróleo para investir no país e no estrangeiro, e para ter uma reserva caso haja oscilações no preço do chamado "ouro negro". Uma alternativa, segundo especialistas, poderia ser a agricultura, já que o petróleo só deve durar mais 20 ou 30 anos.

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

Angola atrai estrangeiros

Vêem-se muitas placas em chinês e empresas chinesas em Angola. Os chineses são a maior comunidade estrangeira no país. Em seguida, vêm os portugueses, que em parte fogem à crise económica europeia. Depois, os brasileiros, por causa da proximidade cultural. Todos querem uma parte da riqueza angolana ou investem na reconstrução do país.

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

Homem X Asfalto

Para o educador Fernando Pinto Ndondi, o governo angolano deveria investir "no homem e não no asfalto". Há cinco anos, Fernando e sua famíla foram desalojados da ilha de Luanda por causa da construção de uma estrada. Agora vivem nestas casas precárias. O governo constrói novas casas para a população. Porém, os preços, a partir de 90 mil dólares, são altos demais para a maior parte dos angolanos.

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

Para onde vai o dinheiro?

O que aconteceu com 32 mil milhões de dólares lucrados pela empresa petrolífera estatal angolana Sonangol entre 2007 e 2011? Um relatório do FMI constatou, em 2011, que faltava essa soma nos cofres públicos. A Sonangol diz ter investido o dinheiro em infraestrutura. Elias Isaac, da Open Society, diz que o governo disponibiliza mais informações – o que "não é sinônimo de transparência".

Autoria: Renate Krieger

Leia mais

Contas da Sonangol são "mágicas", diz analista

Para Rui Verde, os resultados positivos apresentados, recentemente, pela Sonangol são apenas um golpe de marketing. Os resultados líquidos da empresa estatal angolana diminuíram 360% de 2015 para 2016, diz. (07.07.2017)  

Oposição denuncia irregularidades no Huambo

CASA-CE e PRS lamentam falta de credenciamento de fiscais de alguns partidos e UNITA denuncia irregularidades em Cachiungo. Eleitores ouvidos pela DW dizem ter votado sem dificuldades na segunda maior cidade angolana. (23.08.2017)  

Angola: Há denúncias de contrabando de petróleo através da RDC

25 por cento do petróleo refinado de Angola é contrabandeado, segundo o presidente da Associação Industrial de Angola. José Severino alertou ainda que a situação pode estar a beneficiar rebeldes na RDC. (06.06.2017)  

São Tomé e Príncipe faz progressos na transparência das indústrias extrativas

São Tomé e Príncipe fez "progressos significativos" ao nível da transparência da indústria extrativa, em relação ao ano passado. Mas, no arquipélago, as autoridades dizem que ainda há trabalho a fazer. (22.03.2017)  

África subsaariana cresce 2,9% em 2017

As economias da África subsaariana deverão crescer 2,9% este ano, com Angola a expandir-se 1,2% e Moçambique a crescer 5,2%, prevê o Banco Mundial num relatório divulgado em Washington. (11.01.2017)  

Angola: Os contrastes de um gigante petrolífero

O "boom" do petróleo ainda não é para todos. Ao mesmo tempo que Angola oferece oportunidades de investimento a empresas nacionais e estrangeiras, mais de um terço da população vive com menos de um dólar por dia. (22.12.2012)  

Áudios e vídeos relacionados

Moradores de Huambo não encontram gás de cozinha  

Data 29.09.2017 Autoria José Adalberto (Huambo), Agência Lusa Assuntos relacionados Petróleo, Eleições em Angola, Eleições de 2017 em Angola, Raúl Danda, Raul Tati, Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), João Lourenço, Huambo, Lunda Norte Palavras-chave Butano, gás de cozinha, Huambo, Angola, Africa, escassez, Sonagás, Sonangol, carvao vegetal, petrolíferas internacionais, chevron, BP, Total, Soyo Compartilhar Enviar Facebook Twitter google+ Mais Whatsapp Tumblr Digg Formspring Sonico Newsvine Feedback : Envie seu comentári gwivdveb. canada goose chateau parkao! Imprimir Imprimir a página Link permanente http://p.dw.com/p/2kv3g Mais da mesma editoria

Mulheres marcham contra violência em Angola 25.11.2017

Em Luanda, centenas de mulheres marcharam, este sábado (25.11), contra a violência sexual, doméstica e institucional. Os homens aderiram também à manifestação.

Angola: PGR instaura processo contra Carlos Panzo e investiga administrador da Sonangol 25.11.2017

Suspeita-se que o administrador Luís Ferreira do Nascimento poderá ter recebido uma parte dos 25 milhões de euros que terão sido desviados da Sonair, a companhia de aviação da Sonangol.

Caso Rufino: Angola vai julgar militares acusados do homicídio 25.11.2017

Rufino António foi morto durante protesto contra a demolição da casa dos pais, em Luanda, segundo testemunhas. O crime ocorreu em agosto de 2016. O julgamento ainda será marcado.

Data 29.09.2017 Autoria José Adalberto (Huambo), Agência Lusa Assuntos relacionados Petróleo, Eleições em Angola, Eleições de 2017 em Angola, Raúl Danda, Raul Tati, Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), João Lourenço, Huambo, Lunda Norte Palavras-chave Butano, gás de cozinha, Huambo, Angola, Africa, escassez, Sonagás, Sonangol, carvao vegetal, petrolíferas internacionais, chevron, BP, Total, Soyo Compartilhar Enviar Facebook Twitter google+ Mais Whatsapp Tumblr Digg Formspring Sonico Newsvine Envie seu comentário! Imprimir Imprimir a página Link permanente http://p.dw.com/p/2kv3g Últimos artigos da DW África Angela Merkel quer formar Governo "muito rapidamente" Mulheres marcham contra violência em Angola Falta de esperança no futuro explica conflito na RCA, diz Presidente Angola: PGR instaura processo contra Carlos Panzo e investiga administrador da Sonangol Angola: PGR sem carta rogatória de Portugal para arguir Manuel Vicente Últimas emissões da DW África

24 de Novembro de 2017 - Noite

24 de Novembro de 2017 - Manhã

23 de Novembro de 2017 - Noite

Últimas galerias da DW África Parque Nacional da Gorongosa: uma história de sucesso

Depois de dizimado com a guerra civil moçambicana, muitos desistiram de recuperar a vida sevagem do parque. Mas uma fundação apostou na recuperação. O maior parque de vida selvagem do país é hoje exemplo de prosperidade.  

Ajudando a vestir os pequenos em África

Em Portugal, a ONG "Little Dresses for Africa" confeciona roupas para crianças carenciadas de diversos países africanos. Meninos e meninas de Moçambique, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe estão entre os beneficiados.  

Família Mugabe: 37 anos de luxo e ostentação

Enquanto Robert Mugabe liderou o Zimbabué, não foi uma preocupação da sua família esconder o luxo em que vivia. Num país em que parte da população é pobre, a família do Presidente exibiu, durante anos, uma vida faustosa.  

Explore a DW África

App de notícias da DW  

Notícias no WhatsApp  

Newsletter por e-mail  

Podcasting da DW África  

Facebook da DW África

Ao vivo na Internet


gås

canadá ganso usa
canada goose uomini
canada goose womens coats
canada goose expedition parka

What Is GIS?

GIS Map Themes

Maps have been used for thousands of years, but it is only within the last few decades that the technology has existed to combine maps with computer graphics and databases to create geographic information systems or GIS. The themes in the above graphic are only a small example of the wide array of information that can view or analyze with a GIS.

Sponsors

GIS is used to display and analyze spatial data which are tied to databases. This connection is what gives GIS its power: maps can be drawn from the database and data can be referenced from the maps. When a database is updated, the associated map can be updated as well. GIS databases include a wide variety of information including: geographic, social, political, environmental, and demographic.

GIS uses layers, called "themes," to overlay different types of information, much as some static maps use mylar overlays to add tiers of information to a geographic background. Each theme represents a category of information, such as roads or forest cover. As with the old mylar maps, the layers which are underneath remain visible while additional themes are placed above.

With the belief that these sophisticated technologies should not be the province of a privileged few, Mapcruzin provides free GIS resources, free GIS maps, a free GIS tutorial that uses a free gis program, and several low cost products, including our Indian and Federal Lands Maps, Toxic Facilities Maps (now FREE also). Also, check our GIS Explained page to learn more about the terminology of GIS and digital mapping.

Adapted from: InfoRain


How GIS Works

It is estimated that approximately 80% of all information has a "spatial" or geographic component. In other words, most information is tied to a place. So when making decisions about siting new facilities, creating hiking trails, protecting wetlands, directing emergency response vehicles, designating historic neighborhoods or redrawing legislative districts, geography plays a significant role.

This is where GIS comes in. Geographic Information Systems (GIS) technology is a computer-based data collection, storage, and analysis tool that combines previously unrelated information into easily understood maps. But GIS is much more than maps. A GIS can perform complicated analytical functions and then present the results visually as maps, tables or graphs, allowing decision-makers to virtually see the issues before them and then select the best course of action.

Add the Internet, and GIS offers a consistent and cost-effective means for the sharing and analysis of geographic data among government agencies, private industry, non-profit organizations, and the general public.

Source: New Jersey State

Our GIS of Choice is Maptitude and here's why.

Sponsors

Didn't find what you are looking for? We've been online since 1996 and have created 1000's of pages. Search below and you may find just what you are looking for.



MapCruzin.com is an independent firm specializing in the publication of educational and research resources. We created the first U.S. based interactive toxic chemical facility maps on the internet in 1996 and we have been online ever since. Learn more about us and view some of our projects and services.

If you have data, GIS project or custom shapefile needs send me an email.

Contact Us

Report Broken Links

Subscribe for Updates

Advertise on MapCruzin

Follow on Facebook
News & Updates

Find: Maps, Shapefiles, GIS Software & More

MapCruzin Blog for updates, questions and answers

Mapcruzin Free GIS Tools, Resources, News and Maps

↑ Grab this Headline Animator

Blog Updates

More Blog Updates

Downloads

Google Earth Toxic Release Inventory (TRI) Maps
Lester Brown's Plan B 3.0
State GIS Shapefiles, Maps & Resources
GIS Shapefiles & Maps
GIS Programs, Tools & Resources
Free World Country & Regional Maps
GIS / GPS Careers and Job Positions
Disease Outbreak Maps
TOPO Maps
Extreme Weather & Disaster Maps
Free World Maps from the CIA Factbook
Arctic National Wildlife Refuge ANWR Maps
Oil and Gas Maps
Africanized Honey Bees
Renewable Energy Potential Maps of the United States
Terrorism Maps
War Maps
Google Maps
Weather Maps
GPS Resources
Historical Maps of the World
Google Earth
Library of Congress American Memory Map Downloads
Toxic Chemical Pollution Maps
Climate Change Maps
Toxic Release Inventory (TRI) Maps
Census Shapefiles
World Maps

Issues

Environmental Justice
Data Sources
Greenwash & JunkScience
Statistical Resources
Wireless Dangers
Surviving Climate Change
Global Right-To-Know
Creating Living Economies
Books of Note
Toxic Klamath River
Federal Lands Maps
TRI Analysis
TRI Webmaps
EnviroRisk Map Network
Community-Based Research
Right-To-Know or Left to Wonder?
Chemical Industry Archives
21st Century Warfare
Biotechnology
Nanotechnology
Globalization/Democracy
National Parks and Public Lands
Trade Secrets/Toxic Deception
GIS Books
Our Projects
Other Projects
1999 Archive Environews
Environmental Books
Environmental Links
Redwood Coast Information
Recycle, Salvage, Reuse

Resources
Shapefile Store
Free GIS Software
Free Map Downloads
Free Shapefiles
Free Remote Sensing
Free Topo Maps
Free GIS Tutorial
Free GPS
ToxicRisk.com
ClimateShift.com
Maptivist.com